Fone: 0800 - 283 - 2066   |   Plantão: 35 - 99964 - 1004


 
O início da Distribuição de Água em Nepomuceno
Serviço Autônomo de Água e Esgoto
Inicialmente a distribuição de água da cidade provinha da captação realizada em duas nascentes. Uma ficava na Serra São João e a captação era por gravidade até o reservatório do Alto do Cruzeiro, onde era distribuída para a parte alta da cidade. O restante da cidade era abastecido por uma nascente existente na Vila Esméria, e a água era reservada na atual Rua Zamião Tonelli. Não existia nenhum tipo de tratamento de água. 
Poucas residências possuíam água encanada. Existiam torneiras nas esquinas, onde as mulheres nepomucenense enfrentavam grandes filas para ter acesso ao precioso líquido e retornavam para suas residências com suas latas equilibradas na cabeça, sempre sem derramar um pingo de água.
Em meados de 1969, a Fundação Nacional de Saúde, com verba advinda do Ministério da Saúde, iniciou a construção da Estação de Tratamento de Água de Nepomuceno (ETA). Sua inauguração ocorreu em 1973. A captação era, e ainda é feita através da adutora de captação de água bruta que capta a água do Córrego Sapé por gravidade percorrendo uma distancia de 500 m até a ETA, onde a água é floculada, decantada, filtrada, desinfectada e bombeada para o reservatório instalado na antiga propriedade do Sr. Dorval Rodrigues.
Além da ETA, existiam mais duas estações compactas, uma situada no Alto do Cruzeiro e a outra unidade na COHAB. Também existiam mais duas captações em poços artesianos que eram feitas na Vila Esméria e região do Bairro Vista Verde localizada na propriedade do Sr. Zamião Tonelli.
O crescimento do município exigiu uma melhor adequação e ampliação do sistema de abastecimento de água. Existia somente uma adutora de água tratada, que transportava a água até o reservatório na propriedade do Sr. Dorval Rodrigues. Com o passar do tempo, foi construída outra casa de máquinas e uma nova adutora de ferro fundido (200 mm). A ETA foi ampliada, com a construção de floculadores, dois decantadores retangulares, dois filtros, um tanque de contato e um laboratório de química.
Com o passar dos tempos e o aprimoramento da Estação de Tratamento de Água, as estações compactas foram sendo desativadas. Os reservatórios da Vila Esméria e Alto do Cruzeiro continuaram sendo utilizados. A água era tratada na ETA e bombeada até eles, onde era distribuída para os bairros.
Não existiam hidrômetros na cidade e a cobrança da tarifa era feita através do tamanho estimado do imóvel. A falta de hidrômetros ocasionava um ineficiente serviço de abastecimento de água, devido ao consumo descontrolado e a ausência de um sistema tarifário para melhoria e ampliação do sistema.
Antes da criação do SAAE, a distribuição de água e a coleta do esgoto sanitário eram de inteira responsabilidade do Demae – Departamento Municipal de Água e Esgoto, que era dividido em três seções distintas:
:: 2003 - Seção de Abastecimento;
:: 2204 - Seção de Manutenção;
:: 2005 - Seção de Tratamento. 
Com a criação do SAAE a Prefeitura Municipal repassou toda responsabilidade pelo Saneamento Municipal a esta Autarquia. Foram instalados hidrômetros em toda a cidade e os problemas, como precariedade no abastecimento, foram resolvidos.
CAPTAÇÃO, TRATAMENTO E DISTIBUIÇÃO DE ÁGUA
Tudo se inicia com a captação de água através da Adutora de Captação de Água Bruta (tubos ocre, de 400mm), que capta a água do Ribeirão Sapé, através de uma barragem de nível para tomada de água.
A água é aduzida, e percorre 533,50m até chegar a Estação de Trat. de Água - ETA. Vista aérea da Estação de Tratamento de Água. Atualmente, temos mais um laboratório e toda área foi arborizada.
A ETA É DO TIPO CONVENCIONAL, CONTANDO COM AS SEGUINTES OPERAÇÕES
1 – Coagulação;     2 – Floculação;     3 – Sedimentação;     4 – Filtração;     5 – Desinfecção;     6 – Correção de pH;     7 – Fluoretação.
Na ETA existem duas unidades de tratamento, onde cada uma recebe uma parcela da vazão total da água a ser tratada. A primeira é composta de um decantador circular e filtração rápida por gravidade, com capacidade nominal de 20 l/s. A segunda unidade de tratamento aproveitou a primeira, com a construção de novas câmaras de floculação, atendendo as duas unidades de tratamento.
Também foram construídos dois decantadores retangulares e dois filtros rápidos descendentes, com capacidade de tratamento de 100 l/s.
Além dos dispositivos já citados, ela possui um tanque de contato, localizado ao lado do reservatório R1, com capacidade de 420 m³, de concreto armado apoiado, que serve de poço de sucção para as bombas da elevatória de água tratada, composta de três conjuntos moto-bombas de 150 cv e vazão 60 l/s e um conjunto de 60 cv e vazão de 20 l/s. Os conjuntos funcionam alternadamente em dois conjuntos, ficando sempre um conjunto como reserva.
Ao chegar a elevatória, a água tratada percorre o caminho por duas adutoras de ferro fundido (200 mm de diâmetro e 711,3 m de comprimento) até o reservatório R2, de concreto armado apoiado, com capacidade de 1000 m³. O R2 é interligado ao reservatório R3, também de concreto armado semi-enterrado, com capacidade de 432 m².
Do R3 a água vai para o reservatório R4, com capacidade de 300 m³.
O R4 abastece os seguintes bairros:
- Alto do Cruzeiro;
- Vila Japonesa;
- Vila Menezes;
- Vila Narzira;
- Vila Pedroso.
A água tratada também é enviada para o reservatório R5, localizado na Vila Esméria, com capacidade de 180 m³. Este reservatório serve de sucção para a elevatória da Vila Esméria, composta de dois conjuntos moto-bombas, que abastece o reservatório da Cohab (R6) (100 m³).
Este abastecimento é destinado aos seguintes bairros: 
- Jardim Colina;
- Marciolândia;
- Novo Horizonte;
- Padre Vitor;
- Santo Antonio;
- Clayde Alves Vilela;
- Cohab.
Do reservatório da COHAB a água tratada é bombeada para o reservatório R7 de 20 m³ que abastece o bairro Centenário.
O centro da cidade e o restante dos bairros são abastecidos através da adutora de água tratada, que vem do R2, de PVC, em sua maior parte, e com alguma parte de ferro fundido, totalizando 1500 m de extensão por 300 mm de diâmetro. Toda distribuição é feita através de redes ramificadas, com diâmetros variando entre 20 e 200 mm. A malha de redes de água é estimada em 81.078 metros.